Eu [também] estou aqui!!!

Ordem e Globo- Uma das imagens disseminadas nas redes sociais a quando dos protestos de Junho passado no Brasil.
Ordem e Globo– Uma das imagens disseminadas nas redes sociais a quando dos protestos de Junho passado no Brasil.

Depois de ter escrito sobre as mais valias da vinda da Selecção Portuguesa à Copa 2014, estive para escrever um pouco sobre os dois últimos feriados no Brasil: o 15 de Novembro (Proclamação da República do Brasil) e do 20 de Novembro (Dia da Consciência Negra). Até à poucas horas, antes de ir fazer as compras semanais aos locais do costume, estive indeciso entre escrever sobre o paralelismo existente entre os motivos históricos que conduziram aos dois feriados e sobre o périplo de Darwin pelo Brasil, périplo esse que contribuiu de forma positiva para a abolição da escravatura por parte do Imperador D. Pedro II.

Após ter lido o artigo Eu estou aqui de Hugo Gonçalves– também emigrante no Brasil– na revista Visão, decidi que era imperativo escrever algumas palavras sobre o assunto de modo a desmitificar um pouco do povo brasileiro e sua da cultura.

Para sustentar o meu ponto de vista vamos a dados concretos. O brasil é, para além de um país, uma república federativa de dimensão continental (47% do território do continente Sul Americano) dividido política e administrativamente em 27 unidades federativas (sic) e uma população aprox. 20 vezes superior à população de Portugal e aprox. 2/5 da população da União Europeia. Ao contrário da união europeia, onde as línguas faladas entre os povos descendem essencialmente do latim, do anglo-saxão, do eslavo e do grego, no brasil a língua falada descende apenas do latim, tal como o português de Portugal (La Palisse não diria melhor). 

Embora ao contrário da europa a língua falada pelos brasileiros seja o português do Brasil não podemos cair no erro de dizer que “no Brasil existe uma única cultura: a cultura brasileira. Existe também um único povo : o povo brasileiro. Caso cada estado tivesse uma cultura diferente dos demais, então existiram vários povos e não um só povo. Não podemos cair no absurdo de que a existência do povo brasileiro é um mito.”

Embora o brasil tenha sido descoberto pelos portugueses, mais propriamente por Pedro Álvares Cabral durante a época dos descobrimentos, a organização territorial do brasil deu-se séculos mais tarde e coincidiu com a mudança da corte de Portugal para o Brasil a quando das invasões napoleónicas na Europa. E sim, tanto as invasões napoleónicas como a vinda da Corte de D. João VI para o brasil mudou de forma irreversível, tanto a história de Portugal como a história [recente] do Brasil.

Numa primeira fase os habitantes do Brasil eram predominantemente indígenas, emigrantes portugueses e afrodescendentes. Com a abolição da escravatura, houve uma segunda vaga de emigração de europeus, desde italianos passando por holandeses e alemães. Mais tarde e em pleno século XX houve uma vaga de emigração de japoneses. A título de exemplo, a supermodelo brasileira Gisele Bündchen é descendente de alemães que emigraram para o estado de Santa Catarina; a maior comunidade japonesa no mundo encontra-se no Brasil –e não nos EUA, como seria de esperar– e reside predominantemente no estado de São Paulo.

Ora, o Hugo ao escrever no seu artigo de opinião que

Os portugueses sentem-se estrangeiros no Brasil, mas não se consideram gringos. Essa recusa tem menos a ver com o cliché do turista em permanente estado de escaldão, incapaz de ir além de um “Gracias señor, samba!”, e mais a ver com uma proximidade com o Brasil, que nem sempre é recíproca. Seja por causa das aulas de História e uma vida a ver novelas, da MPB e do Axé, da emigração brasileira para Portugal nos últimos 20 anos, a verdade é que os portugueses sabem muito mais sobre o Brasil do que o contrário. Como tal, e porque falamos a mesma língua, o termo gringo seria insuficiente para descrever alguém que sabe imitar os tiques do Sinhôzinho Malta e dispõe de gramática para não ser enrolado por um taxista. 

demonstra uma certa ignorância sobre a cultura brasileira e sobre os brasileiros, em geral.

Primeiro, o Hugo tal como muitos portugueses que consomem as novelas da Globo em Portugal desconhece a cultura brasileira, limitando-se a descrever as diferenças culturais entre Portugueses e Brasileiros apenas ao nível da fonética e da sintaxe. Outro erro comum do Hugo e de muitos portugueses que vivem em Portugal é o de catalogar o povo brasileiro com base nos imigrantes brasileiros que vivem em Portugal, o que em si mesmo demonstra um certo atavismo já para não falar de preconceito.

Para além dos brasileiros que vivem em favelas e vendem sucos nas praias do Rio de Janeiro (aqueles que o Hugo descreve com um certo tom homofóbico), há pelo menos duas castas de Brasileiros que, para além de conhecerem portugal e as diferenças fonéticas entre os dois povos, não ouvem Axé mas grandes compositores brasileiros como Heitor Villa-Lobos, apostam no nosso país, quer seja para estudar, quer seja para [provavelmente] vir a investir nele no futuro como uma segunda casa. Esse foi um dos primeiros assuntos que me debrucei neste blog duas semanas depois de cá ter chegado.

Posto isto e todos os argumentos que supramencionei, penso ser totalmente errado catalogar um país e um povo como o brasil com base na opinião de emigrantes de um só estado. Cada português emigrado no brasil tem uma história diferente para contar, história essa que muda mediante o lugar que reside– ou se preferirem do habitat em que coabita. Por outro lado, o Brasil é — e continua a ser– um país de emigrantes, em constante metamorfose e de muitos carnavais que não se resumem aos carnavais do Rio e de Sampa. Existem também outros carnavais fora de época como o Pré-Cajú de Aracajú (do estado de Sergipe), assim como carnavais com outra designação como são o caso do Frevo do estado de Pernambuco e o Maracatú na Bahia.

Se me pedissem para descrever o Brasil numa slogan, eu diria que:

O Brasil é um país de várias florestas dentro de uma grande floresta.

Se me pedissem um conselho para prosperar enquanto emigrantes no brasil, eu diria:

Têm de ser como Uirapurú, o rei da floresta amazónica.

http://www.youtube.com/watch?v=1ptgWSpK_RU

Adenda: Algumas das citações e informações que constam neste post foram retiradas do grupo de Facebook “Portugueses no Brasil e no Mundo“.

Anúncios

Um comentário em “Eu [também] estou aqui!!!

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

ANICT

Towards a sustainable research career with progression based on merit

CliffordApp

A place to promote events and think tanks in Clifford Algebras and its Applications

A Estátua de Sal

As palavras têm a leveza do vento e a força da tempestade. Vitor Hugo

"um pauzinho na engrenagem"

o Bloco de Esquerda no Parlamento Europeu

JORNAL de BARÃO

jornaldebaraogeraldo@gmail.com

Posso Dar Uma Dica?

Dicas para facilitar o dia a dia

Blog da Rivi

Riviane Rose

Dully Pepper24H

Arte pelo Amor, Arte pelo Mundo, Arte pela Paz!

goodvibeshop.wordpress.com/

Porto l Arrábidashopping l Viseu

Die Luge

Blog criado na aula de Safari.

rcconcursos

Concursos Públicos, lista de concursos com inscrições abertas, informações, apostilas

Raquel Varela

Historiadora Labour Historian

Servente de obra

Reflexões de um jovem pedreiro

Up To Kids

A Up To Kids é uma plataforma de comunicação dedicada à produção de conteúdos para crianças, destinada a pais e educadores.

Relax and Conquer

A math research blog by Afonso S. Bandeira

%d blogueiros gostam disto: