Newsletter #2, Julho de 2018

Por questões de falta de tempo, não poderei escrever a Newsletter #3 (de agosto). Mesmo assim, gostaria de aproveitar para deixar aqui algumas notas soltas:

Deixo aqui apenas algumas notas de destaque:

#1 O simpósio que organizei na UFABC foi um sucesso! Nele se discutiram possíveis direções de pesquisa envolvendo por exemplo a hipótese de Riemann (colocada por Zouhair Mouayn) & a conjetura de Lax em dimensões superiores (colocada por Pedro Lauridsen);
#2 Medalhas fields de Matemática foram atribuídas no Rio a 01 de agosto. No site do IMPA podem encontrar uma descrição sucinta das contribuições de cada um dos laureados https://impa.br/page-noticias/researchers-from-germany-india-iran-and-italy-take-home-the-2018-fields-medal/

Nelson

Nelson Faustino's webplace

Sejam bem-vindos, mais uma vez!

Depois de uma primeira newsletter mais “voltada para o passado”, onde fiz essencialmente um balanço das minhas atividades de pesquisa no primeiro quadrimestre, divulguei informações sobre o início de quadrimestre, e vos falei de alguns acontecimentos que marcaram o mês de maio (Pint of Science & Prêmio Abel), esta segunda newsletter será inteiramente dedicada ao presente e ao futuro.
Os temas de hoje são:

  • PROGRAMA PESQUISANDO DESDE O PRIMEIRO DIA (PDPD)
  • LIVRO DE EXERCÍCIOS DE BASES MATEMÁTICAS
  • BREVES NOTAS SOBRE O PRINCÍPIO DE INDUÇÃO MATEMÁTICA
  • SYMPOSIUM ON CLIFFORD ALGEBRAS, MATHEMATICAL PHYSICS AND RELATED TOPICS
  • EVENTOS SATÉLITE DO ICM 2018

PROGRAMA PESQUISANDO DESDE O PRIMEIRO DIA (PDPD)

A Pró-Reitoria de Pesquisa (PROPES) divulgou a 11 de junho o Edital 02/2018 (PDPD)
destinado à concessão de bolsas a alunos recém-ingressantes na UFABC (primeiroanistas) que pretendam realizar um projeto de pesquisa. As inscrições estarão abertas até…

Ver o post original 1.123 mais palavras

Anúncios

“Azedume, amargura e ressentimento”?

Este texto de autoria de Pedro Santos Guerreiro (PSG) no Jornal Expresso e transcrito no blog “A Estátua de Sal” revela bem o estado de sítio a que chegou a política em Portugal. Entre arriscar — coisa que o português continua a ter medo — e continuar a votar em mais do mesmo, o português comum prefere ser o típico treinador de bancada, que diz sempre mal da equipa mas ao mesmo tempo continua a apoiá-la entusiasticamente.

Esta é uma entre várias razões pelas quais não me vou dar ao trabalho de votar nas próximas eleições legislativas. Nas presidenciais, logo se vê.

A Estátua de Sal

(Pedro Santos Guerreiro, in Expresso Diário, 17/08/2015)

Pedro Santos Guerreiro                  Pedro Santos Guerreiro

Retirado do site do PSD: “Na parte do discurso que ‘arrancou’ mais palmas, Passos Coelho pediu ainda aos portugueses para que decidam com «a cabeça e com o coração», colocando de parte qualquer «azedume, amargura e ressentimento».”

Azedume porquê? Amargura com o quê? Ressentimento em relação a quem?

Por a economia portuguesa ter crescido em média 0,3% nos últimos 15 anos?

Por termos uma taxa de desemprego nos 12% que só voltará aos níveis pré-crise daqui a 20 anos?

Por termos uma dívida pública acima dos 120%, primeiro escondida dos números depois falhada nas metas?

Por termos austeridade permanente em sucessivas medidas temporárias?

Por termos impostos elevados, reformas e salários do Estado cortados, ao contrário do garantido em campanha?

Por termos o salário líquido reduzido mas também o salário bruto cada vez menor, um em cada cinco assalariados a…

Ver o post original 300 mais palavras

Intermezzo por Portugal.

Miguel Esteves Cardoso (MEC) no Público de hoje (17 de agosto de 2015)
http://www.publico.pt/sociedade/noticia/doce-recolhimento-1705141

O recolhimento em casa, seja sozinho ou com a única pessoa que se ama, é uma fuga para o princípio da viagem. Voltar a casa é a maior viagem de todas. Basta um dia num lugar, perto de casa, onde se “está em casa” sem se estar, para perceber que só em casa, sozinho ou sozinhos, é que se está bem.

Como eu entendo o MEC…

Astrolábio

20150806_125114 Algures em Óbidos (Portugal).

Estou de férias em Portugal e a semanas de voltar novamente a Campinas. E já sinto saudades!

Esta frase, com os devidos enviezamentos, poderia ser atribuída a qualquer emigrante que se encontre a passar férias por cá e já a pensar quando virá cá no próximo ano. Decidi escolhê-la pois esta adequa-se ao meu momento atual. Mas num contexto mais onírico.

Com a excepção de três dias em que andei a ciceronear uma amiga brasileira, que se encontra de visita a Portugal, tenho optado por estar isolado do mundo, de modo a recarregar baterias para os desafios que se avizinham, já no início do próximo mês.

Onde me encontro não existem lojas, restaurantes, tampouco magotes de pessoas comuns que decidiram acampar de toalha e chinelo nos areais. Existe sim espaço para me evadir e silêncio para me concentrar no planejamento dos próximos passos. Nos intervalos tenho tido…

Ver o post original 194 mais palavras

“A crise hídrica nos centros urbanos”

Publicado no site globo.com (11 de agosto de 2015):

“O nível dos reservatórios do Sistema Cantareira, o mais afetado pela crise hídrica, caiu pela décima vez consecutiva no mês de agosto e opera com 17,7% da sua capacidade nesta terça-feira (11), segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).
Os demais sistemas que abastecem a Grande São Paulo também registraram nova queda. Agosto é considerado o mês mais seco do ano, e os índices de chuva estão abaixo do mesmo período em 2014, quando houve a pior estiagem da história de São Paulo.”

Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/08/tce-culpa-governo-de-sp-por-crise-hidrica-e-diz-que-faltou-planejamento.html

Astrolábio

Ver o post original

“A miscigenação social”

Vale a pena fazer uma pausa no caos político e económico, fruto da guerra entre um grupo de irresponsáveis, liderado pelo presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, e uma presidente falha de competências e desfrutar das tentativas de mestiçagem socioeconómica em curso.

Essa mestiçagem aparece em forma de notícias de jornal. Conta a Folha de São Paulo que, segundo o Plano Diretor do vanguardista, mas incompreendido, prefeito de São Paulo Fernando Haddad, vão avançar mais ZEIS (Zonas Especiais de Interesse Social). As ZEIS são áreas de habitação social dentro dos bairros nobres da cidade.

O objetivo é transformar São Paulo cada vez menos numa cidade de guetos, em que os ricos moram no anel mais próximo do centro, as empregadas dos ricos no anel seguinte, as empregadas das empregadas dos ricos no seguinte e assim sucessivamente numa espécie de galáxia urbana excludente.

Claro que o foco da notícia está no facto dos moradores mais pobres dos bairros mais ricos terem de percorrer quilómetros para fazer compras num supermercado acessível ao seu bolso porque os preços do comércio da região são proibitivos. Ainda há séculos de desigualdade a combater mas, como diz um secretário de Haddad, o que esses habitantes poupam (em tempo e dinheiro) nos transportes para ir para os trabalhos compensa.

João Almeida Moreira em Dinheiro Vivo.

Já estive por São Paulo por diversas ocasiões. Uma delas em trabalho, a participar numa conferência que decorreu na Universidade de São Paulo. Numa outra em lazer, a assistir a uma jornada da Taça Davis.

Na primeira vez, ficando alojado num hotel perto do rio Tietê, fui presenteado pelo mau cheiro de esgoto a céu aberto que este se tornou. Na segunda ocasião, como já tive oportunidade de relatar, fiquei localizado nas imediações do parque Ibirapuera, o pulmão desta cidade de contrastes.

Dos poucos jornalistas portugueses que escrevem sobre o Brasil, a opinião do João Almeida é sempre um farol no meio do nevoeiro que abunda nas televisões e jornais portugueses sobre a Operação Lava Jato. Do Brasil é melhor nem falar pois as notícias veiculadas nos media tem contornos de filmes policiais.

Felizmente nem tudo é mau. O Brasil não tem apenas corruptos e políticos irresponsáveis. Tem também Sílvio Santos e pegadinhas com a sua assinatura no seu canal (SBT).

A do Demônio Lança-Chamas, que tomei a liberdade de partilhar abaixo, aparece um Satanás com um maçarico em chamas a perseguir pessoas nas proximidades do metro de São Paulo. A título de curiosidade, esta pegadinha passou na SBT no mesmo dia em que passou na Record — estação de TV da qual Sílvio Santos já foi dono — uma entrevista de pouco mais de 30 minutos, na qual se deu o reencontro de Sílvio Santos com o Bispo Edir Madeiro (atual dono da Record) no Templo de Salomão, em São Paulo.

Haja sentido de humor ^_^.

Adenda: Soube à pouco que a TV Cultura se encontra sem verbas e encontra-se em risco de fechar. De lamentar…

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑